Assumindo a Impotência (T1: Episódio1)

Gente boa!

 

Este é o primeiro artigo da série Cuidando da Cuca, e nele vamos falar sobre o primeiro passo para cuidar da gente mesmo, da nossa cuca que é assumindo a impotência.

É meio chato falar assim, mas de largada vamos pra verdade e pra realidade dos fatos.

Quem não assume um problema não consegue resolvê-lo.

Não existe nada de errado em assumir que se tem um problema, qualquer que seja esse problema.

Esconder, empurrar com a barriga, tapar o sol com peneira é que não contribui jamais para a solução definitiva do mesmo.

Ok, mas muitas vezes a gente não sabe bem o que está acontecendo.

Verdade, mas esse é um bom motivo pra assumir que algo está confuso, fora da órbita.

Mas por que assumir?

[siteorigin_widget class=”SiteOrigin_Widget_Image_Widget”][/siteorigin_widget]

Porque só assim a gente busca solução.

Essa solução pode ser desenvolvida pela gente mesmo ou com ajuda de profissionais. E para cada caso existe um profissional diferente.

Bom, em primeiro plano vamos tentar em casa mesmo.

Em casa não significa onde você mora, mas dentro de você mesmo.

Vasculhar a si mesmo e perceber o que está fora do desejado pode ser o primeiro passo.

Aliás esse deveria ser um exercício diário nosso!

Não se engane. Somos seres humanos e como tais temos problemas e dificuldades que vão além do comer, beber e vestir.

Caio Fábio, uma das pessoas que a gente recomenda por aqui tem uma série de mais de 90 vídeos chamada o caminho só discípulo e 4 livros publicados a esse respeito, onde ele explora a questão da famosa frase atribuída a Jesus Cristo: “Quem quiser ser meu discípulo, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me”.

E na questão negar-se a si mesmo Caio explora a questão de como devemos diariamente investigar nosso ser para não sermos enganados pela gente mesmo.

Bom, você vai lá no site dele ou na “vem e vê tv” e assiste ou lê o que quiser a esse respeito. O fato é que é preciso assumir nossa impotência.

Caramba. Impotência.

Isso parece pesado, desagradável, chato, cafona, …

Num mundo onde vence o melhor o mais potente, o mais forte, o mais… a gente ter que assumir impotência é dureza, “mermão”!

Olha só. Assumir a impotência tem um poder libertador assustador!

[siteorigin_widget class=”SiteOrigin_Widget_Image_Widget”][/siteorigin_widget]
Assumir a impotência tira das nossas costas o peso do mundo que carregamos.

Não é uma questão de jogar nas costas dos outros, mesmo por que eles também são impotentes, sabendo disso ou não. Todos somos.

É uma questão de aprender a lidar com o que somos e extrair o melhor de nós mesmos, sem ilusões, sem falsidades, sem tentativas vãs, ocas, vazias.

Assumir a impotência nos proporciona entender nossos próprios limites, nossas capacidades. Permitir definir e redefinir os alvos, objetivos, visões, desejos,…

Também permite entender melhor pra que viemos, por que vivemos, nossa missão por aqui. Mesmo que não seja aquela sonhada de salvar o mundo ( já percebeu como tem gente que quer ser o salvador do mundo?)(esperamos que você não seja uma dessas pessoas).

A missão está no cotidiano, no encontro e desencontro com pessoas, com gente, algumas mais necessitadas que a gente, outras que podem nos ajudar. Em muitas e muitas áreas da vida.

Como aqui lidamos com as rupturas da vida, entendemos que quando uma dessas rupturas acontece, qualquer que seja o tamanho e profundidade dessa ruptura, nossa cuca pode ficar afetada e a gente pode passar a pensar de forma equivocada.

A gente fica frustrado, entristecido, abatido, desanimado, amargurado, louco de raiva, rasgado, partido, dolorido, enfim podemos encher uma página inteira dessas emoções, situações, sensações.

Nessas horas, em especial, é preciso assumir a impotência e contar com a ajuda de alguém.

Mas sempre tem os amigos de Jó (aqueles que no final não ajudaram em nada o pobre coitado que tinha perdido tudo). Mesmo em condição de debilidade é preciso perceber se quem se aproxima vai de fato te ajudar ou só vai te fazer ficar mais pra baixo ainda.

E muito cuidado por que muitos de nós, nessas situações de rupturas, recebemos um pouco de “carinho” de outras pessoas, e achamos que todas as que o fizeram são boas!

Infelizmente os humanos não são tão racionais assim como pensamos.

Agem com muitos instintos e muitos deles são de aproveitadores, de lobos vorazes, que se aproveitam da condição de vulnerabilidade que as rupturas nos proporcionam para então extorquir de nós aquilo que não poderíamos ceder jamais.

[siteorigin_widget class=”SiteOrigin_Widget_Image_Widget”][/siteorigin_widget]

Por isso recomendamos que com ou sem um evento de ruptura, se você sente que algo está confuso, meio complicado, difícil, “assuma sua impotência”.

Nesta série vamos ver que esse é o primeiro e grande passo para o cuidado de nossa mente, de nossa cuca.

Isso não significa que sempre teremos que recorrer ao médico, psicólogo, terapeuta, etc…

Vamos ver no terceiro artigo que muita coisa pode ser resolvida “em casa” mesmo. Vamos aprender como praticar esses exercícios de auto-conhecimento para dicernir quando e como procurar ajuda.

Falando de liberdade e de tirar o peso das costas.

Sim. Assumir a impotência é ficar livre de culpas que assumimos sem propriedade, e ficar com eventuais culpas que são nossas mesmo. Lidar com essas, e só com essas que são nossas.

Tentar consertar, na medida do possível, os efeitos de nossas ações culposas. Trabalhar para que as coisas se ajeitem de forma positiva.

Sim. Assumir a impotência é ter uma liberdade que vai além da compreensão que as palavras podem expressar. É enxergar que a vida de todos é uma sucessão de rupturas, umas mais fortes e outras leves.

Todos nós as enfrentamos. Assumindo a impotência, fica tudo mais fácil.

Somos pó e química em constante ebulição e modificação. O ambiente interfere em nosso ser muito mais do que gostaríamos e muitas vezes nossa “depre” não passa de uma bela de uma gripe.

Nos alimentamos de forma não tão correta e isso pode gerar desequilíbrios. Substâncias faltam ou se acumulam e nossa cuca fica meio perdida, confusa, etc… Sem falar nos medicamentos que ingerimos que nos levam a devaneios que nos assustam a nós mesmos…

Creia. O melhor e primeiro grande passo para sanar qualquer coisa da cuca é assumir a impotência.

Isso não te faz menor. Ao contrário. Quem tem essa coragem é maior, é melhor, tem um futuro interior mais promissor.

Uma boa reflexão pra você!

No próximo artigo: “Buscando Ajuda”

Receba nossa correspondência com as novidades da nossa blogosfera. São muitas alternativas para todos os gostos.

[siteorigin_widget class=”SiteOrigin_Widget_Features_Widget”][/siteorigin_widget]

É só clicar!

Cadastre-se e ganhe livros digitais GRATUITOS!!

Por hoje é só!

Um Excelente viver pra você!!

Marcus e Mel

MVE Produções

P.S.:

Gostou?

Compartilhe este artigo com seus amigos.

[siteorigin_widget class=”SiteOrigin_Widget_SocialMediaButtons_Widget”][/siteorigin_widget]

Leave a Comment

1 × 3 =

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.